Capitulo 005 – Olhos que Vêem o Coração

Partes – 01 02 03 04

No dia seguinte Malon se levantou muito cedo, mas Lorans já não estava mais lá, deixara um bilhete junto as coisas de Reiko, que ainda dormia profundamente, o céu ainda estava escuro e o tempo gélido, Malon quis por um instante ler o bilhete, mas pensou: “Se quisesse que ambas vissem deixaria junto aos mantimentos ou próxima de nós duas, mas o que será que aquele homem quer dizer a ela sem que eu saiba?” Seus pensamentos se perderam em mirabolantes condições de que ambos já se conheciam e iriam entregá-la para a Sociedade, ou que iriam roubar seus pertences e deixá-la só em alguma floresta.

Reiko sonhava com seu irmão, o via trabalhando em um acampamento como escravo, já adulto, mas sem conseguir ver seu rosto, seu coração acelerava seus passos se tornavam mais intensos e seu irmão nunca se aproximava, num instante foi vista por um capanga ela sacou seu arco rapidamente, mas não havia flecha alguma em sua alijava, suas mãos tremeram, sua visão ficou pesada não achava suas facas e o capanga havia se tornado 5, estavam grandes com dois ou ate três metros de altura, suas pernas tremiam seu irmão ainda trabalhando sem mesmo perceber que estava tão perto de sua irmã. Os capangas começam a dar socos e dizem: “Mas que garota estúpida, iremos bater-lhe até ficar inconsciente, faremos de você mãe de novos escravos, ira cozinhar e limpar para nós e quando bem entendermos iremos arrancar sua cabeça e mandar de volta para que SpikenTrees fique feliz com sua morte!” suas risadas sarcásticas e sadistas lhe davam arrepios profundos, a agonia seu coração por não poder salvar seu pequeno irmão crescia e a sufocante idéia de morrer ali mesmo diante de seu objetivo lhe causou um pânico que nem mesmo lentas facadas em seu colo poderiam explicar e derrepente de um susto acordou suada, tremendo e com suas pupilas dilatadas e sem fôlego algum para dizer uma palavra. Mas não era necessário, Ferrolho já estava ao seu lado e lhe afagava com a cabeça, enquanto tomava fôlego novamente Reiko acariciava as belas penas de seu fiel companheiro.

– Você está bem Reiko, seu grito me assustou, estava pegando lenha para o desjejum.

– Estou sim Malon, obrigada. Só tive um pesadelo, nada para se preocupar.

– Meu mestre sempre disse que pesadelos nunca devem ser deixados de lado, os sonhos são criados para que possamos descansar e fazer com que o corpo se sinta confortável, os pesadelos nada mais são que manifestações da nossa alma nos alertando sobre algo, não necessariamente o que sonhamos mas algo que possa ser extraído desse pesadelo.

– Deixe de besteiras Malon, não acredito nesse tipo de coisas sonhos são apenas sonhos e em seu próprio mundo devem ficar. Se são bons ou ruins eles apenas refletem o caos ou a calmaria que reina em nossos corações. – Enquanto falava se levantava olhando para baixo , tentando se convencer do que falava. Suas mãos tremiam a cada palavras e de seus olhos caíram algumas lagrimas que Malon não distinguia se eram de raiva ou medo.

Malon nesse momento compreendeu que Reiko já não era mais uma garota. Como havia lhe mostrado quando se encontraram, sua força não era mais do que seu medo de se tornar frágil e indefesa e que sua determinação nada mais era que seu pânico de se tornar uma vitima da Sociedade. Mas no fundo seu coração ainda é cheio de temores e ressentimentos que não consegue deixar para traz.

Malon se aproxima de Reiko e a abraça fortemente, Reiko sem reação a abraça de volta e se entrega as lagrimas como outrora caiam de seus olhos mareados, lagrimas que saiam diretamente de seu coração, passavam por sua alma e levavam com elas um pouquinho do que restará de suas lembranças de SpikenTrees.

Enquanto faziam o desjejum e se perguntavam onde estaria Lorans, Reiko ainda não vira a carta e Malon não quis avisá-la para não demonstrar interesse no que ele havia deixado para ela, escutaram alguns passos em direção do seu pequeno acampamento. Reiko de um único salto estava de pé já com o arco em mãos pronto para disparar e Malon ao seu lado com seu cajado em mãos.

Quando em meio das moitas que cobriam uma trilha muito discreta de grama amassada por passos entra um cão, cabeça baixa, pelagem marrom escura, olhos castanhos grandes e inexpressivos, sua face era velha e seus olhos aparentavam olheiras de noites e noites sem dormir, ele vagarosamente se aproximou das meninas, Malon sem entender não se moveu, assim como Reiko, o cão cheirou o pé de Malon e em seguida o pé de Reiko, se virou para a trilha de onde veio e deu um único latido, rouco, baixo e já sem força.

As garotas se olharam como se estivessem se comunicando apenas por olhares, no fundo ambas sabiam o que a outra queria dizer. Da trilha veio um homem vestindo um manto surrado longo sobre as vestes já meio sujas, em uma das mãos um faca, não muito longa, voltada para baixo e com a outra mão direcionada para as meninas, então ele disse:

– Sei que não me farão mal, o velho Sabujo aqui nunca errou em me avisar em quem posso confiar. –Exclamou o homem, sua voz era velha e tremida mas com uma firmeza que apenas os que já conhecem as duras lições da vida possuem.

Ao se aproximar, sua face se iluminou com a fraca e calma luz do amanhecer, e viram nada mais nada menos que um velho, que de olhos fechados se guiava sem um único tropeção na direção das meninas, sua expressão era alegre e seu sorriso parecia permanentemente pintado em seu rosto. Ele se virou para Reiko e colocou uma das mãos sobre o arco, lhe fazendo sinal que não seria necessário qualquer reação contra ele, depois guardou a faca em uma bainha em seu cinto, onde Malon viu outra porção de bainhas com os mais variados cabos. O homem esticou a mão para Malon e disse:

– Malon por favor não me faça pegar seu cajado, baixe isso antes que você me machuque.

Os olhos de Malon marejaram ao escutar essas palavras, Reiko com uma cara de espanto e curiosidade se virou para a mais nova amiga esperando alguma resposta, mas Malon apenas largou seu cajado e abraçou o velho homem com suspiros e soluços, suas lagrimas saiam de seus olhos e molhavam as costas do senhor que lhe confortava.

– Rogers como você está vivo! Achei que ninguém tivesse sobrevivido ao ataque alem de mim, os procurei por dias até decidir resgatá-lo sozinha.

– Desculpe minha filha, mas achei que nem mesmo você tivesse sobrevivido, assim que escapei dos capangas fui direto rastrear o que pudesse do grupo que o levou de nós. Mas como pode ver, não tive grandes revelações, e com esse corpo velho não viajo tão rápido.

Reiko sem saber muito bem o que fazer se afastou dos dois para que pudessem conversar a sós, mas manteve uma distância que ainda os escutasse. Rogers já estava sentado junto a fogueira com Malon e Reiko após ter se recuperado do inesperado encontro.

– Malon quem é essa garota que esta com você? Por acaso era uma nova pupila?

– Pupila? De quem?

– Não. Eu a conheci a poucos dias, ela também está caçando a Sociedade por suas atrocidades.

– Oh, compreendo o porque de seus coração ser tão apreensivo minha jovem. – Ao falar estas palavras suas face se tornou triste e escuro, mas seu simpático sorriso se mantinha. – Sinto muito por sua família Reiko, sei como é difícil crescer só e rejeitado por todos.

– Como sabe de tudo isso, nem mesmo contei a Malon sobre isso e… Espere, ainda nem mesmo disse meu nome a você! Quem diabos é você? – Esbravejava enquanto rapidamente se levantou e apontou sua flecha contra o peito do velho homem.

– Desculpe-me Reiko, mas Rogers tem esse dom, como você pode ver ele é cego mas vê o mundo como pessoa alguma jamais poderá ver. A essência de cada criatura é a única coisa que seus olho podem captar. E os que o consideram uma pessoa de confiança transmitem a ele alguma parte de suas vidas, até hoje não sabemos que tipo de passado entregamos a ele quando nos abrimos com confiança para ele.

– Reiko, me perdoe por minha intromissão em seu passado, mas foi o que seu coração me mostrou assim que olhei para você, e talvez tenha sido pelo fato de termos um passado semelhante que essa parte de tua história me foi confiada. Infelizmente não posso retribuir-lhe com uma visão de minha história, mas se quiseres, lhe contarei minha história junto de Malon, que nada mais é o que seu coração esta a me perguntar nesse momento.

Reiko não sabia o que dizer sentia raiva por ter sido exposta por uma pessoa que nem mesmo havia se apresentado adequadamente. Suas mãos tremeram ainda mais quando Rogers se pronunciou sobre a historia entre ele e Malon, numa explosão de incertezas quanto ao velho senhor cego em sua frente ela dispara sua flecha em direção ao peito do senhor que se move apenas alguns centímetros para que a flecha não lhe acerte o coração. Reiko desesperada por ter acertado o velho senhor lhe ajuda com os curativos se desculpando imensamente por fazer isso com um homem da idade dele. Após os primeiros socorros Rogers se levanta e vai junto de Sabujo buscar algo para fazerem para comer no inicio da tarde, e por mais que falasse Reiko não conseguiu fazê-lo ficar descansando enquanto ela caçava algo.

– Não se preocupe Reiko ele está muito bem, seu meio de se desculpar é se deixar ferir por quem ele feriu de alguma maneira.

– Eu estava com a flecha apontada para o coração, na explosão devo ter desviado num disparo sem controle algum. Poderia ter matado um homem que nada me fez alem de saber de meu passado e feito você sofrer por essa infantilidade minha!

– Acalme-se ele se deixou acertar pela sua flecha, ele apenas tirou seu coração da linha de fogo, você não errou o disparo, ele que desviou do ataque.

Reiko sem acreditar que aquele senhor teria a habilidade para desviar de uma flecha a uma distancia tão pequena quanto a que estavam deixou o assunto de lado rapidamente e se concentrou em entender o que aconteceu entre Malon e Rogers. Enquanto arrumavam o acampamento para poderem cear quando Rogers voltasse Reiko encontrou o bilhete deixado por Lorans.

– Malon veja isso Lorans me deixou um recado! – seu espanto sincero convenceu Malon de que nada havia entre eles. – Aqui diz: “Reiko, estou indo na frente para sondar o acampamento, atacarei daqui três dias, com ou sem vocês, meu alvo sairá do acampamento logo, não posso perder essa chance. Me encontrem dentro do acampamento quando eu começar a invasão, não quero vocês lutando no inicio, eu darei conta da entrada, e os portões ficaram abertos para que Malon e você entrem para procurarem o que quiserem. Mas lembre-se não vou cuidar de vocês lá dentro. Avise Malon que ela deve entrar em combate, afinal uma maga mal preparada como ela não ira ajudar em nada num combate corpo-a-corpo como o que haverá.  Obs.: Por favor não morram aqui, ainda gostaria de lutar junto de vocês contra a Sociedade.”

– Aquele palhaço se acha o maioral só não o derrotei por não poder feri-lo na nossa luta, e ainda por cima me diz para não lutar! Eu vou acabar com a raça dele a próxima vez que nos vermos.

Reiko ri descontraidamente enquanto preparam a fogueira, Rogers traz três coelhos e um javali. Impressionada Reiko apenas começa a preparar a farta caça trazida por seu novo companheiro.

– Reiko, enquanto nossa ceia é preparada posso lhe contar sobre meu passado e de Malon se ainda lhe interessa.

– Claro, estou curiosa pra saber um pouco mais sobre Malon e um pouco sobre meu novo companheiro.

– Primeiro quero dizer que entrarei no acampamento com vocês assim que decidirem quando será feito o ataque.

– Já imaginava que você também gostaria de atacar a Sociedade conosco.

– Bom, minha história com a de Malon se cruzaram a pelo menos dezesseis anos atrás. Estávamos em nosso acampamento quando uma mulher coberta de sangue e ferimentos muito graves entrou pela trilha e se ajoelhou diante de nosso mestre, estendeu seus braços em sua direção, neles estava Malon, pequenina, ferida e desacordada. A Mulher implorou para que salvássemos sua filha e em troca ela daria sua vida para nos proteger, meu mestre a reconheceu e imediatamente pediu-lhe uma única coisa, que sua filha fosse a primeira aprendiz de meu mestre e que seu destino fosse livre de qualquer domínio, seria uma maga sem nação sem compromissos para mais ninguém alem dela mesma e que faria com seus poderes o que bem entendesse. A mulher já desesperada pelo fato que os encontrariam em pouco tempo aceitou as condições e entregou sua filha, meu mestre lhe ofereceu emprego entre nós e uma vida segura, mas ela não aceitou, disse que tinha que terminar seu trabalho para proteger Malon de um mau eminente. E assim ela se foi e nunca mais ouvimos falar dela, Malon cresceu rápido e escolheu suas trilhas rapidamente, se tornou forte e obstinada como a mãe, mas uma pessoa difícil de conviver, eu fui incumbido de protegê-la junto do mestre, já que como pupila e mestre estavam sempre juntos poderia cumprir minhas duas únicas funções que eram de protegê-los. Após um pesado ataque da Sociedade em uma de nossas bases mais afastadas eles nos dizimaram, pelo menos é o que parece, sei apenas da Malon que ainda esteja viva de um grupo de mais de sessenta. Nosso mestre foi seqüestrado, acredito que ainda esteja vivo por isso estou rastreando-o há muito tempo e hoje felizmente encontrei vocês para alegrar um pouco este velho coração e esquecer as duras jornadas que venho fazendo atrás de uma gota de esperança.

Reiko ainda estava assimilando toda a informação enquanto Malon explicava o que seria feito para atacarem o acampamento dentro de três dias. Após cearem arrumaram o acampamento, esconderam as trilhas e começaram a avançar em direção ao acampamento leste, não podiam perder tempo, tinham que aproveitar a chance que Lorans lhe daria.

Reiko caminhava e pensava se Rogers realmente será capaz de lutar contra a Sociedade, um senhor tão velho e cego como ele talvez apenas atrapalhasse a invasão, mas ela não sente coragem em expor essa idéia para eles, pois vê que estarem juntos faz Malon se sentir mais confortável e feliz, como se um pai estivesse perto dela outra vez.

Próxima Parte – Emboscada

Anúncios
    • Bruno
    • 22 de abril de 2013

    Alguma previsão para o lançamento do próximo capitulo ?

    • Ola Bruno!

      Estou mantendo uma publicação por semana, as quintas-feiras, publicarei o próximo capitulo assim que terminar algumas correções. No mais tardar na semana que vem ele estará publicado!

      Obrigado!

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: